• Maurício Mancini Jr

Crédito de carbono: o que é, como funciona e quais benefícios para minha empresa?

Você sabia que além de contribuir com a redução da emissão de gases estufas é possível ganhar dinheiro através disto? E tudo isso graças aos créditos de carbono!



Não é novidade para ninguém que o mundo sofre todo dia com os impactos da ação humana que ocorre com o desenvolvimento desregrado que vem acontecendo no mundo há muito tempo, como desmatamentos, incêndios criminosos, o uso de combustíveis fósseis e nem mesmo a produção de alimentos escapa dessa lista.

Um grande vilão das mudanças que o mundo vem sofrendo é o aquecimento global, que além de causar distúrbios nas temperaturas do mundo, afeta a fauna e flora de formas muito graves. Por isso, atualmente vemos tantos movimentos em favor de mais conservação do meio ambiente e também tantas pesquisas em áreas de combustíveis alternativos. Porém, o conceito de créditos de carbono já existe há um tempo considerável.

O conceito foi criado em 1997 com o protocolo de Quioto. A ideia foi beneficiar de forma rentável países que conseguissem reduzir suas gerações de gases do efeito estufa (GEE), tendo sido esse projeto enquadrado nas normas do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) do Protocolo.

Foi estabelecido que cada tonelada que fosse reduzida em emissão seria equivalente a um crédito de carbono. Segundo a Sustainable Carbon, os créditos de carbono são gerados conforme os países tomam medidas que visam reduzir as emissões de carbono, sendo alguns exemplos dessas: redução no desmatamento, campanhas para consumo consciente e uso de formas de energia renováveis ou de baixo impacto.

Mas agora vem a grande pergunta: "Como é comercializado esse Crédito de carbono?”

O mercado de carbono existe no mundo todo, e cada país o regula segundo sua legislação; no caso do Brasil ele é regulado pelo decreto número 5.882 de 2006. O mercado de carbono é caracterizado pela venda de créditos de carbono por países que conseguiram reduzir suas emissões de carbono e pela compra por parte dos países que ainda precisam reduzir suas emissões e não atingiram suas metas de redução de liberação de CO2 para a atmosfera.

Essa comercialização vem de uma flexibilização presente no protocolo de Quioto, que permite a colaboração entre países industrializados e países em desenvolvimento. Os créditos de carbono são tratados como uma commodity, assim como petróleo, e é um ativo digital, perene e dolarizado.

Considerando que eles podem ser vendidos no mercado internacional, podemos ver já um claro benefício em gerar créditos de carbono, então, por isso que, mesmo com opiniões divergentes deste ponto, os créditos de carbono são um grande estímulo em um mundo capitalista a reduzir suas emissões, seja para gerar créditos de carbono podendo vendê-los ou para evitar multas por emissões elevadas, claro que considerando que a precificação do carbono seja feita de forma adequada, ou seja, preços altos para que haja de fato um estímulo para a redução de emissões e menos na compra de créditos de carbono.

Tomar atitudes e adotar projetos focados na responsabilidade ambiental deixa de ser algo que vai apenas gerar um benefício de imagem para com os clientes e passa a gerar de fato uma vantagem monetária.

Mas claro que também não podemos desconsiderar que cada vez mais as pessoas querem saber quais impactos os produtos que eles estão comprando gera no mundo. Logo, ser uma empresa mais verde gera também o benefício da imagem, tanto para os consumidores quanto para os trabalhadores que se sentirão contemplados por fazer parte de uma empresa que adota atitudes mais verdes.

Foi com essa visão que, nós da Núcleo Consultoria, somos uma empresa que visa foco total quanto à responsabilidade socioambiental, trabalhando de forma a poupar os recursos naturais em nossos projetos e fazendo projetos de impacto positivo na redução das emissões de carbono com empresas que compartilham dessa visão.

Então, está esperando o que para começar a investir no futuro do mundo e da sua empresa ao mesmo tempo?